Fundos imobiliários: locações de lajes corporativas retomam volume pré-pandemia

Sem comentários

A absorção bruta de novas locações de lajes corporativas alcançou 80 mil m² no 3º trimestre deste ano, o maior volume desde o 4º trimestre de 2019, de acordo com a consultoria Newmark.

Com isso, especialistas já acendem alerta para os fundos imobiliários que investem nesses ativos e apresentam desconto no valor da cota neste momento.

O resultado de locação de lajes corporativas no 3º trimestre supera em 9,2 mil m² a marca de absorção bruta do segundo trimestre deste ano (de 70,8 mil m²), que já havia sido o maior resultado desde o final de 2019.

Um dos motivos, segundo os especialistas, é a retomada de grandes empresas aos escritórios, após um longo período de vacância na pandemia.

O assessor Maicon Melo, sócio da Online Traders, explica a retomada de lajes corporativas:

“Nas últimas semanas, tivemos anúncios de empresas de grande porte, como Amazon e Shopee, em retas finais para locarem grandes espaços na avenida Brigadeiro Faria Lima, zona sul de São Paulo.”

Do total de novas locações no 3º trimestre, 34% estão concentradas justamente na Faria Lima, com os segmentos financeiro e de investimentos puxando a retomada, juntamente com empresas de tecnologia e e-commerce e escritórios de advocacia.

O avanço da vacinação e a queda no número de óbitos por Covid-19 aceleraram as locações de escritórios de alto padrão em São Paulo.

Além disso, nesse cenário de retomada, especialistas apontam que o IFIX, principal índice de fundos imobiliários da B3, se mostra atrativo para o mercado e consideram um bom momento para investimentos em segmentos como os de lajes corporativas e renda urbana.

“Temos ainda fundos imobiliários abaixo de seus valores patrimoniais que seguem pagando dividendos de 6 até 8% ao ano. É um cenário interessante”, considera Melo.

RedatorFundos imobiliários: locações de lajes corporativas retomam volume pré-pandemia
Veja mais

Empresas planejam retornar ao trabalho presencial e híbrido este ano

Sem comentários

O retorno aos escritórios começa a se desenhar em maior número e empresas brasileiras se preparam para colocar em prática os modelos híbridos de trabalho. É o que mostra uma pesquisa realizada entre o fim de julho e o começo de agosto com 81 empresas de vários setores.

O levantamento, da It’sSeg, corretora de seguros especializada em gestão de benefícios, indica que 62% das empresas planejam o retorno presencial dos funcionários ainda em 2021.

Desse total, 40% querem fazê-lo ainda neste mês de agosto, 12% em setembro, 24% em outubro, 16% em novembro e 8% em dezembro.

De acordo com Thomaz Menezes, presidente da It’sSeg.

“Desde o segundo semestre do ano passado, ocorreram várias tentativas frustradas de planejamentos para um retorno. A demora na disponibilização das vacinas e os indicadores de adoecimento, entre outras coisas, impossibilitaram para a maioria das empresas efetivarem o retorno presencial, mesmo que em um formato híbrido”.

O modelo híbrido, que mesclará a possibilidade de trabalho no escritório com home office, será realidade para 82% das companhias que planejam o retorno neste ano. Pouco mais de 15% afirmaram que irão voltar totalmente presencial e 2% que permanecerão em home office.

Na avaliação de Menezes, as relações pessoais sofreram grande impacto com o home office.

Considerando aquelas que pretendem voltar este ano, 89% disseram que irão adotar a obrigatoriedade do uso de máscaras, 85% criarão maior espaçamento nos ambientes, 85% medirão temperatura e 54% irão flexibilizar horários de trabalho.

Mais de 60% delas trabalham com uma estratégia de retorno gradativo – sendo que 35% estão analisando faixa etária, 34% área da empresa, 6% cargos e 14% grupos de risco e com comorbidades em sua força de trabalho.

Valor Econômico

RedatorEmpresas planejam retornar ao trabalho presencial e híbrido este ano
Veja mais

Mercado passa a ver Selic a 7% em 2021 e 2022 no Focus

Sem comentários

O mercado elevou ainda mais sua expectativa para a taxa básica de juros, passando a ver a Selic em 7% tanto ao final de 2021 quanto em 2022, em meio a novo aumento na projeção para a inflação.

A pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central na última segunda-feira, dia 26, mostra uma expectativa de maior aperto monetário neste ano, já que o levantamento anterior apontava expectativa de 6,75%. Para 2022, não houve mudança.

Ao mesmo tempo, a expectativa para a alta do IPCA subiu para os dois anos —6,56% em 2021 e 3,80% em 2022, de 6,31% e 3,75% antes. Ambos ficam acima do centro da meta.

O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o PIB a estimativa de crescimento para este ano melhorou em 0,02 ponto percentual, a 5,29%. Para 2022, permaneceu em 2,10%.

RedatorMercado passa a ver Selic a 7% em 2021 e 2022 no Focus
Veja mais

Setor imobiliário estima manter expansão em 2021

Sem comentários

O forte aquecimento do mercado imobiliário tende a se manter, em 2021, conforme levantamento da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) realizado com presidentes e diretores de 38 das maiores empresas do setor durante o ano de 2020. A pesquisa apontou que 97% dos empresários pretendem lançar projetos, nos próximos 12 meses, e 92% comprará terrenos, principal matéria-prima para a produção imobiliária, no período. 

“Temos tudo para que o crescimento seja sustentável”, afirma o presidente da Abrainc, Luiz Antonio França. Entre os fatores que vão possibilitar a expansão, França cita o número recorde de 973 alvarás, nos 12 meses encerrados em setembro, para construção de novos empreendimentos verticais, em São Paulo. “Os dados vêm demonstrando vendas e lançamentos crescentes”, diz. 

Do total de entrevistados, 87% informaram aumento de vendas no terceiro trimestre. Entre os que atuam no programa habitacional Casa Verde e Amarela, o incremento foi de 82% e, nas empresas com foco no segmento de médio e alto padrão, a expansão foi de 90%. Em relação às expectativas de comercialização, nos próximos três meses, 68% do total avalia que haverá alta e, nos próximos 12 meses, 87% acreditam em crescimento. 

Para 63% dos entrevistados haverá aumentos de preços superiores a 5% nos próximos 12 meses. No prazo de cinco anos, as altas vão superar 10%, na avaliação de 84% dos empresários. “O valor dos imóveis está estável mesmo com os aumentos de preços dos insumos. Tecnicamente, este é o momento para a compra”, afirma o presidente da Abrainc.

Nos últimos meses, 87% dos entrevistados registraram mais procura por imóveis. No segmento de baixa renda, 82% dos participantes tiveram essa percepção, enquanto no de médio e alto padrão, 90% informaram aumento. 

O setor de incorporação tem se beneficiado muito da queda de juros. À medida que taxas menores possibilitam reduzir o valor das parcelas, o poder de compra dos clientes aumentou. Ao mesmo tempo, muitos consumidores finais e investidores têm direcionado para aquisição de imóveis recursos que até então estavam na renda fixa.

Neste momento de mais valorização de onde se mora, como consequência das pessoas que estão trabalhando de casa, a busca de imóveis maiores e que atendam a novas necessidades dos moradores, como a de espaço para trabalho e para aulas à distância, também tem contribuído para o aquecimento do setor.

No entendimento de França, como o setor está “estruturalmente bem”, o maior risco atual são as consequências da pandemia de covid-19 na macroeconomia. “Quando houver a vacina, o setor de construção será o grande indutor da retomada da economia”, afirma o representante setorial.

Fonte: Valor Econômico – Globo (Adaptado)

RedatorSetor imobiliário estima manter expansão em 2021
Veja mais

Dicas para inovar sua imobiliária

Sem comentários

A inovação é importante para a maioria das profissões, e o mesmo se aplica aos corretores imobiliários. É o que te diferencia dentro do mercado e garante que você obtenha bons resultados. E é por isso que nós separamos três dicas para você alavancar sua imobiliária:

  • Encontre oportunidades 

Existem oportunidades inexploradas no mercado. A dica é descobrir prontamente essas oportunidades na área onde você trabalha. Por exemplo, uma casa que está abandonada há muitos anos pode representar um bom negócio, principalmente se estiver bem localizada. Como encontrar o proprietário e saber se pretende alienar o imóvel? 

Outro ponto importante é se atualizar e aumentar seus conhecimentos. Por exemplo, você já pensou em pesquisar mais sobre imóveis rurais e entrar na área? 

  • Invista no marketing

Aproveite o tempo para fazer um bom marketing pessoal. Distribua seu cartão para clientes, amigos e familiares: quem sabe alguém precisa de um corretor, ou sabe que alguém está procurando profissionais? Outra dica importante é usar a Internet a seu favor, tenha um site bem estruturado que contenha suas informações profissionais.

E se quiser inovar ainda mais, tenha um canal no YouTube para dar dicas a potenciais compradores e anunciar sua casa e apartamento. Essa é uma ótima maneira de divulgar seu nome e encontrar novas oportunidades.

  • Fidelize seu cliente

Invista no pós-vendas com seus clientes.

Esse tipo de atendimento permite que seus clientes se lembrem de você na próxima vez que precisarem comprar ou vender um imóvel. Esse tipo de operação também aumenta as oportunidades de o cliente recomendar seu trabalho a amigos e familiares.

RedatorDicas para inovar sua imobiliária
Veja mais

Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica

Sem comentários

Saiba quais são os pontos relevantes de como elaborar;

A avaliação imobiliária realizada pelos corretores de imóveis, vem ganhando relevância e respeito junto a sociedade de forma geral pela necessidade de avaliar imóveis de forma correta e com valores que possam de fato serem absorvidos pelo mercado. 

Agora as avaliações já podem ser realizadas por boa parte dos profissional da área, o corretor de imóveis, que antes só podia contar com sua expertise para executar este trabalho, agora dispõe de importantes ferramentas que norteiam e agilizam a avaliação, todavia, mesmo com toda essa tecnologia disponível não substitui a necessidade e o conhecimento técnico deste profissional, como dito, as ferramentas auxiliam e facilitam.

O nome dado à avaliação realizada pelo corretor de imóveis é Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica, também conhecido como PTAM.

A resolução COFECI nº 1066/2007(Ato Normativo-Cofeci nº001/2008) em seu artigo 6º estabelece que, a elaboração de Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica é permitida a todo Corretor de Imóveis, pessoa física, regularmente inscrito em Conselho Regional de Corretores de Imóveis.

Parágrafo Único informa – A pessoa jurídica regularmente inscrita em Conselho Regional de Corretores de Imóveis pode patrocinar a elaboração de Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica, chancelado por corretor de imóveis, pessoa física.

O Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica ou  PTAM  é um documento elaborado por Corretor de Imóveis no qual é apresentado ao interessado, com base em critérios técnicos, análise de mercado com vistas à determinar o valor de comercialização de um imóvel e deve conter os seguintes requisitos mínimos:

a-    Identificação do solicitante;

b-    Objetivo do parecer técnico;

c-    Identificação e caracterização do imóvel;

d-    Identificar a metodologia utilizada;

e-    Encontrar o valor resultante e sua data de referência;

f-     Incluir um breve currículo e assinatura do Corretor de Imóveis Avaliador.

São também pré-requisitos para caracterização do imóvel, o número da matricula, endereço completo e identificação do proprietário.

A correta descrição do imóvel é muito importante neste processo, não economize, deve ser clara e bem detalhada, por isto, a visita presencial ao imóvel é essencial para um resultado mais assertivo. 

Nesta visita seja um bom observador, se possível leve um gravador ou faça um vídeo, fique atento aos detalhes, aqui alguns pontos importantes a serem observados e relatados;

A – Fundamente sobre a área e a qualidade da construção 

b-    Faça uma descrição detalhada;

c–    Observe o contexto urbano, a vizinhança e a infraestrutura da região;

      d– Faça suas considerações finais sobre; o valor, alguns tópicos de mercado e conclua, chamando a atenção para pontos relevantes do imóvel em relação as amostras disponíveis no mercado local, valorize com seu conhecimento técnico.

      e– Revise seu relatório e parecer várias vezes depois, date e assine.

Anexe ao seu Parecer Técnico (PTAM) tudo que julgar importante, mas nada mais que isso, lembre-se, “menos é mais”, quando for pontual e objetivo:

a-    Amostras similares

b-   Mapa de localização do imóvel;

c-    Matricula atualizada;

d-    Informações sobre o IPTU

e-  Relatório fotográfico identificando cada cômodo.

f- Se conseguir algum documentoio sobre o bairro ou região que seja relevante, insisra.

Compreender como elaborar e apresentar um PTAM, é fundamental para o corretor de imóveis.

O mais importante neste processo além de sua capacidade de fazer, é que você profissional, execute o trabalho com zelo, boa apresentação visual, conteúdo e que por fim compreenda que quanto mais capacitado for, maior será o respeito e reconhecimento que seu trabalho irá receber dos colegas e da sociedade. Corretor de imóveis invista em você, aposte em sua qualificação profissional.

Paulo Roberto  – CEO do Avalion

RedatorParecer Técnico de Avaliação Mercadológica
Veja mais

Entenda os principais critérios para colocar o seu imóvel para venda no mercado imobiliário.

Sem comentários

Você está pensando em comprar ou vender o seu imóvel e não sabe como fazer? 

Vou te explicar neste texto  o porque é necessário contratar  um corretor de imóveis e quais os critérios que ele utiliza para avaliar e inserir o seu imóvel no mercado. 

Avaliar uma propriedade não é uma tarefa fácil, aqui você vai entender como funciona a Avaliação e o Mercado Imobiliário na hora da venda do seu imóvel.

Comprar e vender um imóvel parece ser algo muito fácil, basta eu colocar um valor e divulgar este meu imóvel, porém não é desta forma que o mercado imobiliário funciona, quando existe a necessidade de vender  um imóvel, você precisa entrar em contato com um profissional autônomo ou uma imobiliária, neste caso é importante que ambos atuem na região onde o imóvel se encontra, conhecer bem o bairro e contribui com um trabalho muito melhor, tanto na avaliação quanto na divulgação do seu imóvel, pois vivem o mercado de uma forma muito mais próxima e intensa.

Todo este processo tem inicio na Avaliação do Imóvel, que é a parte mais importante, aqui, o profissional utilizará de um método para realizar este trabalho que é o Método Comparativo Direto de Dados de Mercado, onde ele irá entregar para você um documento chamado  PTAM – Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica, para que você entenda o real valor do seu imóvel.    

Para realizar O PTAM – PARECER TÉCNICO DE AVALIAÇÃO MERCADOLÓGICA, o corretor  realiza  uma pesquisa intensa na região do imóvel, buscando os imóveis que venham a ser similares ao seu imóvel, nesta pesquisa o corretor de imóveis, entra em vários portais, entra em contato com as imobiliárias para entender melhor cada imóvel, suas características e também a localização onde o imóvel se encontra, esta comparação que é realizada deve ser feita de forma muito cuidadosa, identificar a localização onde o imóvel se encontra e toda a sua infraestrutura é muito importante, porém é um trabalho que requer vários cuidados.

Quando finalizadas as pesquisas e definido os imóveis que fazem parte desta pesquisa, é necessário realizar os cálculos para definir o valor do seu  imóvel e qual a relação deste valor em relação ao bairro, bem como qual o valor está sendo praticado no mercado, é através deste conhecimento que o corretor vai definir o valor do seu imóvel.

Uma vez definido o profissional ou empresa, faça um breve contato com o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (CRECI), este Conselho vai dar informações sobre esta empresa ou profissional que atua no mercado, se existem processos disciplinares contra ele,  assim você saberá quem é este profissional que irá trabalhar com  o seu imóvel, buscar informações ou dados nas redes sociais está virando uma prática muito comum.

Realize um contrato de prestação de serviço, para que você tenha a garantia de que este profissional estará realizando o trabalho pelo qual está sendo contratado, as regras deste contrato devem estar claras e bem definidas, quando você tem um contrato de prestação de serviços junto a um profissional ou imobiliária, isto dá ao mercado a garantia de que o imóvel está qualificado para ser divulgado, isto facilita e dá velocidade ao negócio. É muito comum  no mercado imobiliário a Parceria, onde as imobiliárias procuram umas às outras para realizar negócios, uma tem o imóvel e a outra tem o cliente, e isso faz com que as vendas ocorram de forma mais rapida, porem você deve estar se perguntando, por que remunerar em  6% os honorários para a venda de um imóvel?.

O percentual de honorários que as imobiliárias e profissionais são remunerados, é definido com base em custos de divulgação, rateio entre as imobiliárias, network destes profissionais e o rateio entre as empresas quando houver parcerias, para todo o negócio existe uma margem de lucro e devemos lembrar que todos devem ser remunerados pelo seu trabalho de forma justa e perfeita.

Lembre-se que, o importante é que você divulgue o seu imóvel com o valor correto e que o profissional tenha a possibilidade de realizar esta parceria remunerando o outro profissional com um percentual honesto e equânime, isto trará velocidade ao seu negócio e ânimo para que o negócio aconteça de forma rápida.

Geralmente quando o valor de honorários é de 6%, este valor na parceria é dividido entre as empresas ou profissionais, deste valor, geralmente o corretor da venda e o angariador que é o profissional que trouxe o imóvel para a empresa irão receber um percentual, portanto lembre-se que, se o profissional for trabalhar por um percentual diferente, não aceite, desconfie, pois provavelmente ele não vai trabalhar de forma honesta e dedicada com o seu imóvel.

Paulo Roberto  – CEO do Avalion

RedatorEntenda os principais critérios para colocar o seu imóvel para venda no mercado imobiliário.
Veja mais

Setor imobiliário tem alta de 56% no lucro e projeta novo ciclo de expansão

Sem comentários

A temporada de balanços do terceiro trimestre mostrou que as incorporadoras listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) tiveram rápida recuperação após a paralisação de negócios no primeiro semestre por conta da quarentena – com alta de lançamentos, vendas, receita e lucro. O desempenho forte surpreendeu analistas do setor, que apontam para o começo de um novo ciclo de expansão do mercado imobiliário. 

As 14 maiores incorporadoras com ações negociadas na B3 tiveram, juntas, lucro líquido de R$ 721 milhões no terceiro trimestre de 2020, 56% a mais do que no mesmo período de 2019. O levantamento contabiliza os balanços de Cyrela, Cury, Direcional, Even, Eztec, Gafisa, Helbor, Mitre, Plano & Plano, MRV, RNI, Tenda, Tecnisa e Trisul. 

Os empreendimentos lançados por esse grupo tiveram valor geral de vendas estimado em R$ 8,1 bilhões no trimestre, alta de 36%, enquanto as vendas líquidas totalizaram R$ 7,5 bilhões, um avanço de 45%. De um lado, os juros baixos e a maior oferta de crédito têm estimulado a compra de imóveis para moradia ou investimento. Já os números das empresas mostram que há dinheiro em caixa e terrenos para construção. 

“A aceleração nas vendas foi surpreendente, dado o cenário de pandemia”, diz o analista Raul Grego, da Eleven Financial. “Os números dos balanços foram animadores: todas as incorporadoras apontaram perspectivas de crescimento.” Para ele, o mercado seguirá em alta no fim deste ano e ao longo do próximo. 

Com a recuperação dos negócios, algumas companhias se sentiram confiantes para divulgar metas de lançamentos para o biênio 2020-2021. A Tecnisa divulgou meta de crescimento pela primeira vez desde 2011, quando esse tipo de comunicação foi suspenso devido às crises do País e da própria empresa. Agora, prevê lançar entre R$ 1,2 bilhão e R$ 1,5 bilhão em projetos até o fim de 2021. Se isso se concretizar, representará a retomada do crescimento da incorporadora, que neste ano lançou um único empreendimento. 

“Estamos tranquilos em dar um guidance (meta oficial, no jargão do mercado) de novo. Temos um banco de terrenos robusto, dinheiro em caixa e taxas de juros baixas, ao contrário do passado, em que não tínhamos esses confortos. Estamos confiantes em dizer que vamos executar”, afirma o diretor de relações com investidores da companhia, Flávio Vidigal. 

Já a Eztec considera até mesmo a possibilidade de revisão para cima em sua meta de lançamentos, diante do cenário considerado promissor. “Se a velocidade de vendas for superior ao estimado ao longo do próximo ano, é possível começar a lançar mais fases dos empreendimentos e antecipar projetos dos anos posteriores”, afirma o diretor de relações com investidores, Emílio Fugazza. 

Fonte: Estadão

RedatorSetor imobiliário tem alta de 56% no lucro e projeta novo ciclo de expansão
Veja mais

Após reduzir juros, Caixa libera financiamento de imóveis pelo aplicativo

Sem comentários

Após reduzir juros, Caixa  Econômica libera financiamento de imóveis pelo aplicativo

Pelo app Habitação, cliente faz todo o processo online e só precisa ir na agência bancária assinar o contrato 

Após reduzir a taxa de juros do financiamento imobiliário, a Caixa Econômicainformou na última segunda feira, que já disponibilizou a opção de contratação do financiamento por meio do aplicativo Habitação Caixa. Pelo aplicativo, o cliente acompanha todas as fases do financiamento: o recebimento da proposta, a ocorrência de pendências documentais e o resultado de sua avaliação de crédito.

Com todas as etapas concluídas no APP, o usuário precisa ir até uma agência da Caixa Econômica apenas uma vez, para a assinatura do contrato. Segundo o banco, a ideia principal é facilitar o processo de contratação para o cliente e trazer mais agilidade e segurança ao processo de financiamento habitacional.

Pelo APP, também é possível acessar o boleto para pagamento da tarifa inicial de avaliação do imóvel pretendido e conferir o resultado do laudo. 

Além disso, o usuário pode acompanhar de forma online a liberação dos recursos da sua conta vinculada do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) em caso de utilização como entrada no financiamento, bem como a data prevista para assinatura do contrato.

Como contratar

Para solicitar um financiamento, o cliente baixa o aplicativo, e efetua a simulação de crédito e escolhe a melhor condição apresentada. O APP Habitação Caixa está disponível para os sistemas operacionais Android e IOS, pode ser baixado gratuitamente nas lojas GooglePlay ou AppStore.

O cliente pode ajustar os valores de entrada, o prazo, o indexador da taxa de juros, o sistema de amortização e a prestação máxima pretendida

Na sequência, realiza o cadastro e dos demais participantes da proposta, informa o município e o valor do imóvel. O envio de todos os documentos necessários à operação é feito pela plataforma, bem como a escolha do canal de atendimento, que poderá ser a Agência Digital ou um Correspondente Caixa Aqui. A agência física onde será assinado o contrato também é escolhida pelo cliente via APP.

Na última semana, a Caixa Econômica reduziu as taxas do crédito imobiliário para pessoas físicas, com recursos do SBPE.

A partir do dia 22 de outubro, a linha de crédito indexada pela Taxa Referencial terá uma taxa mínima de TR + 6,25% e máxima de TR + 8,00%, o que representa uma queda de até 0,50 ponto percentual.

Com a redução, o banco estima conceder mais de 14 bilhões de reais em crédito imobiliário até o final deste ano. Atualmente, a carteira de crédito do banco alcançou a marca de 500 bilhões de reais. A instituição é líder na concessão de financiamento para a casa própria no país

Por Karla Mamona

Publicado em: 19/10/2020 às 15h16 

RedatorApós reduzir juros, Caixa libera financiamento de imóveis pelo aplicativo
Veja mais

Partilha de bens

Sem comentários

Quando conhecemos alguém e decidimos que vamos viver juntos, nunca imaginamos que este relacionamento vai dar errado ou vai chegar ao fim, mas quando isto acontece surgem as dúvidas, conflitos e gastos inesperados.

O maior problema quando este relacionamento acaba é a partilha de propriedades, os direitos e deveres são os mesmos de um casamento civil, se não existe um documento de acordo entre o casal, o que entra em vigor é o regime de comunhão parcial de bens, ou, cada um fica como patrimônio que tinha antes da união, já o que foi adquirido durante a união deve ser dividido igualmente 50% para cada um. 

Quando isto ocorre e existe conflito na definição do valor do imóvel, é necessário encontrar uma solução, neste caso, a contratação de um profissional que defina o valor deste imóvel e entenda do mercado imobiliário é fundamental.

O profissional mais indicado para este trabalho é o corretor de imóveis, que através do Método Comparativo Direto de Dados emitira um documento chamado de PTAM – Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica.

Para a realização deste trabalho o corretor de imóveis fará uma visita ao imóvel para conhecer suas particularidades bem como a região onde este imóvel se encontra, ele realizará uma pesquisa para entender quais os imóveis que usará como amostra para realizar uma comparação e através deste trabalho chegar a um valor do imóvel que está avaliando.

Toda esta pesquisa e cálculo geram muito conteúdo, que estará presente em seu PTAM – PARECER TECNICO DE AVALIAÇÃO MERCADOLÓGICA, portanto sempre lembre, que é muito importante você contratar este profissional, pois ele não faz parte do conflito, está isento.

Precisando avaliar o seu imóvel, entre em contato Avalieja – Avaliação Imobiliária

RedatorPartilha de bens
Veja mais