Mercado da Construção Civil cresce no segundo semestre de 2021

Sem comentários

Dados da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil) apontam um crescimento de 60% no número de novos empreendimentos neste segundo semestre de 2021 em comparação com igual período do ano anterior.


Pesquisa realizada neste ano pela Datastore, empresa especializada em pesquisas para o mercado imobiliário, apontou que mais de 14,5 milhões de famílias têm intenção de adquirir um imóvel nos próximos 2 anos, o que corresponde  a uma alta de 28,7% no índice de compra nos segmentos popular, médio padrão e alto luxo. Desse universo de potenciais compradores, quase 60% planejam a compra do imóvel ainda em 2021, somando 8,4 milhões de famílias. Segundo a Datastore, este índice não era observado desde 2009.


Este aquecimento do mercado de imóveis é explicado pela combinação de juros baixos, demanda reprimida e a própria pandemia da Covid-19 que fez muitas pessoas pensarem melhor sobre seu espaço residencial. 
Quando a construção civil expande, também outros índices da economia se movimentam, como o aumento dos níveis de emprego e a arrecadação de impostos como ITBI e ISS.


Dados da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil) apontam um crescimento de 60% no número de novos empreendimentos neste segundo semestre de 2021 em comparação com igual período do ano anterior.

RedatorMercado da Construção Civil cresce no segundo semestre de 2021
Veja mais

Para 70% dos jovens da geração Z, home office pode impactar carreira negativamente

Sem comentários

Uma pesquisa do LinkedIn quanto à percepção dos profissionais brasileiros sobre o futuro do trabalho, revelou que 70% da geração Z — pessoas de 16 a 24 anos — acreditam que trabalhar remotamente pode impactar negativamente suas carreiras.

Segundo 43% dos participantes, a falta de contato presencial com seus líderes, diretos e colegas de equipe mais experientes é o principal motivo, seguido da dificuldade de aprender com esses mesmos profissionais a distância (31%). Além disso, 53% creem que há um estigma negativo associado ao trabalho remoto.

Apesar de a maioria achar que o home office pode prejudicar sua progressão de carreira, 38% desses profissionais da geração Z ainda preferem o modelo híbrido de trabalho, alternando entre a casa e o espaço físico da empresa, e 27% preferem trabalhar de modo totalmente remoto.

A pesquisa ainda mostra que 72% desses jovens sentem que a pandemia prejudicou o aprendizado de habilidades comportamentais — as soft skills —, como comunicação, inteligência emocional, aprendizado contínuo, resolução de problemas e adaptabilidade.

12/10 – Portal Extra

RedatorPara 70% dos jovens da geração Z, home office pode impactar carreira negativamente
Veja mais

Banco Mundial eleva expectativa de crescimento econômico do Brasil

Sem comentários

O Banco Mundial divulgou na última quarta-feira, dia 6, que a economia brasileira deve crescer 5,3% em 2021. Uma estimativa mais otimista que os 4,5% de incremento que a instituição projetava para o país em junho passado.


Apesar da melhora em relação aos últimos meses, a perspectiva de crescimento da economia brasileira ficou aquém da projeção para o conjunto dos países latino-americanos e caribenhos, que o Banco Mundial estima que devem crescer, em média, 6,3% este ano.

Isso se dá, principalmente, em razão da aceleração da vacinação contra o novo coronavírus e à queda das mortes por covid-19.

Já em 2022 e em 2023, o Produto Interno Bruto brasileiro deve avançar, respectivamente, 1,7% e 2,5% – percentuais também menores que as expectativas para toda a América Latina e Caribe, que a instituição estima que crescerá 2,8%, em 2022, e 2,6%, em 2023.

De acordo com o economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e Caribe, William Maloney:

“A boa notícia é que a região está pouco a pouco saindo da crise e voltando a crescer. Apesar disso, e mesmo com alguns setores emergentes, a recuperação ainda é mais fraca do que esperávamos. A projeção de crescimento regional de 6,3% é insuficiente para reverter a queda de 6,7% de 2020, reativar as economias e reduzir a pobreza. Há países crescendo mais, outros menos, mas, na média, ainda não estamos recuperando o que foi perdido”.

Para o Banco Mundial, o mundo deve conter a pressão inflacionária global e os elevados níveis de dívida do setor privado; dirimir eventuais incertezas a respeito da solidez do setor bancário e atentar para o crescente déficit orçamentário e para o aumento da dívida pública em função dos investimentos que os governos tiveram que assumir para proteger famílias e empresas durante a pandemia

RedatorBanco Mundial eleva expectativa de crescimento econômico do Brasil
Veja mais

Fundos imobiliários: locações de lajes corporativas retomam volume pré-pandemia

Sem comentários

A absorção bruta de novas locações de lajes corporativas alcançou 80 mil m² no 3º trimestre deste ano, o maior volume desde o 4º trimestre de 2019, de acordo com a consultoria Newmark.

Com isso, especialistas já acendem alerta para os fundos imobiliários que investem nesses ativos e apresentam desconto no valor da cota neste momento.

O resultado de locação de lajes corporativas no 3º trimestre supera em 9,2 mil m² a marca de absorção bruta do segundo trimestre deste ano (de 70,8 mil m²), que já havia sido o maior resultado desde o final de 2019.

Um dos motivos, segundo os especialistas, é a retomada de grandes empresas aos escritórios, após um longo período de vacância na pandemia.

O assessor Maicon Melo, sócio da Online Traders, explica a retomada de lajes corporativas:

“Nas últimas semanas, tivemos anúncios de empresas de grande porte, como Amazon e Shopee, em retas finais para locarem grandes espaços na avenida Brigadeiro Faria Lima, zona sul de São Paulo.”

Do total de novas locações no 3º trimestre, 34% estão concentradas justamente na Faria Lima, com os segmentos financeiro e de investimentos puxando a retomada, juntamente com empresas de tecnologia e e-commerce e escritórios de advocacia.

O avanço da vacinação e a queda no número de óbitos por Covid-19 aceleraram as locações de escritórios de alto padrão em São Paulo.

Além disso, nesse cenário de retomada, especialistas apontam que o IFIX, principal índice de fundos imobiliários da B3, se mostra atrativo para o mercado e consideram um bom momento para investimentos em segmentos como os de lajes corporativas e renda urbana.

“Temos ainda fundos imobiliários abaixo de seus valores patrimoniais que seguem pagando dividendos de 6 até 8% ao ano. É um cenário interessante”, considera Melo.

RedatorFundos imobiliários: locações de lajes corporativas retomam volume pré-pandemia
Veja mais